Rodrigo Rodrigues: obesidade é fator de risco para trombose;





Imagem: Reprodução/SporTV



Após passar dias em coma induzido, o apresentador Rodrigo Rodrigues, do SporTV, morreu hoje (28) aos 45 anos.

O jornalista, que havia sido diagnosticado com covid-19 há cerca de 15 dias, teve um quadro de trombose venosa cerebral (TVC) e precisou passar por um procedimento cirúrgico para diminuição da pressão intracraniana no último domingo (26


De acordo com Ludhmila Hajjar, cardiologista e intensivista da Rede D'Or, em entrevista ao canal CNN, a coagulação dos vasos é comum (nos casos de covid-19), mas o cérebro é raramente atingido. "Há menos de 60 casos diagnosticados no mundo, e a obesidade é um fator de risco para complicações", afirmou. A hipercoagulação, o desequilíbrio do processo normal da coagulação sanguínea, pode ser causado por processos inflamatórios como a obesidade, doenças reumatológicas, tabagismo, uso de determinados fármacos como anticoncepcionais orais combinados (estrogênio e progesterona), além de gravidez e puerpério (períodos em que há redução fisiológica de fatores anticoagulantes naturais.

Caso do apresentador Segundo Hajjar, o que o Rodrigo teve foi uma complicação grave e quando a circulação cerebral é atingida, o risco de morte é muito alto. "Quando a coagulação ocorre nos membros inferiores ou no pulmão, o tratamento é mais tranquilo. Pelo que foi descrito, o atendimento foi rápido. O principal sintoma é uma dor de cabeça muito forte, às vezes tontura, convulsão, comprometimento da fala e da visão. Você dá anticoagulante, tenta diminuir a pressão no cérebro, mas apesar disso, essa lesão do vaso é tão grave, que muitas vezes o tratamento é ineficaz, e infelizmente foi o que aconteceu com ele", explicou a médica.

O que é a trombose venosa cerebral? A trombose venosa cerebral ocorre quando um coágulo de sangue entope uma veia do cérebro. "O sangue fica mais espesso, o que pode ocorrer por diversas razões, como uma propensão natural do paciente ou até relação com a covid-19, criando um coágulo e impedindo a passagem do sangue e do líquido cefalorraquidiano", explica Guilherme Torezani, neurologista do Hospital Icaraí, no Rio de Janeiro. "Com a passagem obstruída, o acúmulo de fluidos vai gerando pressão —o que causa sintomas como forte dor de cabeça— e pode gerar um tipo AVC que chamamos de infarto venoso", acrescenta Torezani.

Portal UOL

Nenhum comentário

Deixe aqui seu comentário.

Observação: Você é responsável pelo seu comentário.


Compartilhe o Blog: Paulodesouza.digital