Vereador suspeito de atropelar e matar motociclistas em PE é autuado por homicídio culposo e lesão corporal culposa


Testemunhas do acidente, que ocorreu em rodovia na cidade de Água Preta, disseram que ele estava em alta velocidade e fez ultrapassagem indevida. Delegada do caso informou que o velocímetro parou em 110 km/h; limite da rodovia é de 60km/h.


O vereador Pedro Marconi de Souza Barros (PTC), da cidade Brejo da Madre de Deus, foi autuado por homicídio culposo e lesão corporal culposa suspeito de colidir com um grupo de motociclistas na rodovia PE-96 em Água Preta, na Mata Sul de Pernambuco. A informação foi divulgada na manhã desta segunda-feira (24) pela delegada Juliana Bernat, que está conduzindo o caso. (Veja o imagens do momento do acidente acima).

O Portal G1 procurou, por telefone, o vereador, a assessoria e o advogado dele para comentar o assunto. Até o momento da publicação, nenhum deles atendeu à reportagem. Também por telefone, o G1 conversou com o presidente estadual do PTC, Fábio Bernardino. "Não tínhamos conhecimento que ele estava nesse acidente, mas sentimos muito pelas vítimas. Vamos esperar o encaminhamento da Justiça para esclarecer mais informações", disse.



Caminhonete atingiu um grupo de motociclistas neste domingo (23) na PE-96, em Água Preta — Foto: WhatsApp/TV Globo/Reprodução



A Câmara de Vereadores de Brejo da Madre de Deus se posicionou por meio de nota. "O Poder Legislativo de Brejo se solidariza com os familiares das pessoas envolvidas nesse trágico acidente, ao mesmo tempo que temos prestado ao vereador Pedro Marconi o apoio necessário", ressaltou. A Câmara ainda destacou que, no momento, não irá se manifestar sobre o fato, pois irá aguardar a tramitação e análise da situação pela Polícia Civil e a Justiça.


Barros dirigia uma caminhonete no momento do acidente, que ocorreu no último domingo (23), e deixou três pessoas mortas. Se for condenado, ele pode ter de cumprir pena de até seis anos de prisão, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro.


Segundo a delegada, testemunhas sobreviventes disseram que o vereador estava em alta velocidade e fez uma ultrapassagem indevida. Ao G1, Bernat informou que o velocímetro do automóvel parou em 110 km/h. De acordo com o Departamento de Estradas de Rodagem de Pernambuco (DER-PE), a velocidade máxima permitida nesta via é de 60km/h.


"O caso não cabe dolo, porque dolo é quando há intenção de matar. Mas pode caber dolo eventual [quando o motorista assume o risco, de acordo com o Código Penal] durante as investigações. Tudo vai depender do resultado da perícia", explicou a delegada.

O vereador foi submetido ao teste do bafômetro, e o resultado apontou que não houve consumo de álcool. A delegada também pediu exames toxicológicos, mas o resultado ainda não foi divulgado. Barros vai passar por audiência de custódia nesta segunda-feira, informou Bernat.


Acidente foi registrado na PE-96, em Água Preta — Foto: WhatsApp/TV Globo/Reprodução

Veja o vídeo extraído das redes sociais:


G1

Nenhum comentário

Deixe aqui seu comentário.

Observação: Você é responsável pelo seu comentário.


Compartilhe o Blog: Paulodesouza.digital