Incêndio atinge vegetação nativa na Serra da Bandeira em Barreiras

 Nesta quinta-feira (1º), queimada completa três dias e se agravou por causa do calor e dos ventos fortes na região.



Um incêndio atinge a vegetação nativa da Serra da Bandeira, que fica ao redor da cidade de Barreiras, no oeste da Bahia, na região da BR-242. Nesta quinta-feira (1º), a queimada completa três dias e se agravou por causa do calor e dos ventos fortes na região.

Não há registro de feridos e nem informações sobre o que causou o incêndio. Durante toda a manhã desta quinta, motoristas tiveram dificuldade de trafegar na rodovia por causa da fumaça escura provocadas pelas chamas, que invadiu a pista e tirou a visibilidade da via.

Uma equipe do Corpo de Bombeiros está no local, mas não tem acesso ao local onde os focos estão concentrados porque o terreno é acidentado, e o caminhão com água não chega.

Tempo seco e 'desértico' no oeste


Regiões oeste e sudoeste da BA têm 'clima de deserto', umidade do ar é menor que 12%

A cidade de Barreiras está sem brigada porque os militares estão atendendo ao chamado federal dos incêndios no Mato Grosso, há cerca de 15 dias. A previsão é de que eles passem mais três semanas no estado mato-grossense.

A Serra da Bandeira não é a única que pegou fogo em Barreiras. A Serra da Vila Amorim também teve focos de incêndio que começaram no mesmo dia, 29 de setembro. Não houve registro de feridos e a situação está sob controle.

A cidade de Barreiras fica em uma área que sofre com o tempo seco nessa época do ano, o que contribui para a propagação das queimadas. Nesta quinta, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu alerta para percentuais de umidade do ar abaixo de 12%.

O Inmet informa que, além dos incêndios florestais, a baixa umidade do ar pode causar doenças pulmonares e dores de cabeça. A temperatura em Barreiras chega a 36º.

Entre a terça (29) e a quarta-feira (30), várias cidades das regiões oeste e sudoeste já tinham registrado a umidade relativa do ar em 12%, o que é considerado clima desértico pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Nenhum comentário

Deixe aqui seu comentário.

Observação: Você é responsável pelo seu comentário.


Compartilhe o Blog: Paulodesouza.digital