PARCEIROS


Prefeitura de Barreiras inicia novo ciclo preventivo contra o mosquito da dengue com veículos fumacê









Já estão circulando pelos bairros e comunidades rurais, sete veículos aplicadores do composto Cielo, conhecidos como fumacê. 

Essa é uma das ações estratégicas, definida pela Prefeitura de Barreiras para diminuir os índices de infestação do mosquito Aedes Aegypti, causador da Dengue, Zika e Chikungunya

As equipes do Centro de Controle de Zoonoses de Barreiras estão realizando o trabalho, concentrado em 17 localidades que apresentaram maior índice de infestação e pessoas contaminadas.

O coordenador da Zoonoses, Dorimar Almeida explica que é um ciclo preventivo, formatado em 4 etapas de aplicação a cada 3 duas. 


O bairro Morada da Lua foi a primeira área pulverizada na manhã dessa quarta-feira, 23, e no sábado, 26, as equipes retornarão com a reaplicação até fechar as quatro aplicações no dia 02 de julho. 


Ainda receberam o fumacê os bairros Vila dos Funcionários e as comunidades rurais Barrocão, Mucambo, Baraúna e Bebedouro.

 

Seguindo o cronograma pré-estabelecido, na quarta-feira, 24, foram atendidos os bairros Ouro Branco, Vila Nova, Barreiras Sul e Riachinho. 


Já nesta sexta-feira, 25, a primeira aplicação vai alcançar o  Centro, Aratu, Boa Sorte, São Sebastião, Vila Rica, Vila Amorim, Vila Dulce e São Miguel, atingindo uma dimensão de mais de 25 mil domicílios.

“Estamos monitorando e trabalhando para combater o mosquito desde o início do ano, com mutirões e os agentes de endemias visitando residências e averiguando denúncias de modo permanente. 

Iniciamos agora esse trabalho preventivo em parceria com o Governo do Estado, passando com o fumacê pelos bairros e comunidades rurais, abastecido do composto chamado Cielo, para eliminar o mosquito adulto do Aedes Aegypti, inclusive as fêmeas aladas em estágio reprodutivo”, informou Dorimar Almeida.

Ele ainda alertou para a prevenção, lembrando que a melhor forma de evitar as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti é combater focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito. 


“Continuamos com a campanha educativa, porque os moradores não podem deixar água em latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, pneus velhos, vasinhos de plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d´água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos e lixeiras, entre outros”, finalizou.


Fonte DIRCOM Barreiras 

Blog do Paulo de Souza.