Decretada a prisão preventiva dos cinco acusados do assassinato do médico pediatra em Barra_BA

 Vítima - Júlio César de Queiroz


Os cinco acusados pelo homicídio qualificado do médico Júlio César de Queiroz Teixeira, ocorrido em setembro no município de Barra, tiveram a prisão preventiva decretada ontem, dia 19, pela Justiça. 

A juíza Luciana Cavalcante Machado recebeu a denúncia e acolheu os pedidos de prisão apresentados pelo promotor de Justiça Romeu Coelho Filho contra o mandante do crime, D. S. S. (conhecido como “Diego Cigano”), e os executores J. F. da S., R. M. B., A. de S. B. e F. L. da S.

Segundo a denúncia apresentada pelo Ministério Público estadual quinta-feira, dia 18, o crime ocorreu no dia 23 de setembro de 2021, às 8h30, no interior da Clínica Mãe, localizada no centro de Barra. 

Naquele dia, quatro tiros de arma de fogo foram disparados por J. F. contra o médico Júlio César Teixeira, que estava em atendimento. 

As investigações apontam que o crime foi contratado por Diego Cigano após o mesmo imaginar que o médico, durante consulta pediátrica, teria olhado para os seios de sua companheira. 

Ele encomendou a morte do médico a J. F., R. B. e A. B, mediante o pagamento de recompensa no valor de R$ 2 mil para cada, explica o promotor de Justiça, pontuando que, em relação A. B, o pagamento não foi em espécie e sim através de perdão de dívida anterior.

Ainda de acordo com as investigações, os criminosos foram até a clínica um dia antes do homicídio para conhecer o local onde a empreitada criminosa ocorreria. 

No dia do crime, enquanto J. e R. foram ao sítio de Cigano para aguardar o momento oportuno para executarem a vítima, A, e F, se deslocaram até a clínica, onde simularam uma consulta com o médico para que pudessem monitorar a sua chegada e repassar a informações sobre o melhor momento da ação. Assim fizeram, J. e R. se deslocaram até a clínica e Júlio César Teixeira acabou morto.

ANUNCIE AQUI