Produtores de cachaça de Barreiras recebem orientações de um dos maiores pesquisadores brasileiros sobre o assunto




O fortalecimento da cadeia produtiva da cachaça em Barreiras fez com que as secretarias de Agricultura e Tecnologia e de Meio Ambiente e Sustentabilidade e o SEBRAE, se unissem para oferecer a pequenos e médios produtores do destilado, uma palestra inédita com um dos poucos pesquisadores brasileiros que fazem a ponte entre o setor de cachaça (e o de cerveja) e a Academia. 


Trata-se do professor Rogério Lopes Brandão, doutor em Bioquímica e que possui uma trajetória marcada pelo estudo profundo do processo fermentativo no laboratório e pela defesa da seleção de leveduras locais como uma das melhores alternativas para a produção de cachaça, fora dele.

Na quarta-feira (1) e quinta-feira (2), as equipes das Secretarias e do Sebrae acompanharam o pesquisador durante visitas técnicas a locais de produção de cachaça artesanal, em Barreiras, a exemplo das instalações do produtor Renato Santos, que já havia recebido a visita dos secretários Demosthenes Junior (Meio Ambiente e Sustentabilidade) e Roberto de Carvalho (Indústria, Comércio e Turismo), da turismóloga Ana Rita e do assessor da Secretaria de Planejamento Vandré Vilela em 20 de agosto. 

Os pequenos e médios produtores tiveram a oportunidade de acompanhar uma palestra destinada à capacitação das cachaçarias no Município, a cargo do professor Rogério Lopes. 


Ele destacou, entre outros assuntos, as variedades da matéria-prima, aspectos do plantio, metodologia de produção da cachaça, técnicas de fermentação, ambientação e finalização do produto. Ainda, detalhes sobre a legalização e o mercado da cachaça.

O trabalho de fortalecimento da cadeia produtiva terá continuidade e como parte do cronograma previsto está o curso “Fortalecimento da Cadeia Produtiva de Cachaça de Barreiras” com o foco na capacitação técnica de produção. 

“Esta primeira atividade teve o objetivo de oferecer aos produtores locais uma alternativa de renda, envolvendo toda a família no processo de produção. 

Possibilitou ainda a adequação, no futuro, dos selos do SIM (Serviço de Inspeção Municipal) e da ANVISA, trazendo aos produtores segurança e comercialização garantida no que diz respeito aos aspectos de saúde e sanitário”, explica o secretário de Agricultura, José Marques.

Outro fator levado em consideração, além dos enfatizados pelo secretário de Agricultura, é passar aos produtores as noções de sustentabilidade desde o plantio até a fabricação da cachaça. 

Para isso, a Secretaria de Meio Ambiente está atenta e garantindo as orientações adequadas, por meio dos cursos e aperfeiçoamentos. 

“Queremos ver estas famílias melhorar a sua renda, fabricando um produto de qualidade e ao mesmo tempo, conscientes da importância do correto aproveitamento dos recursos naturais disponíveis como a água e o solo. 

Vamos trabalhar para que o processo de produção ocorra de forma sustentável”, destaca o secretário Demósthenes Júnior.

Dircom/PMB – 03.12.2021

Blog do Paulo de Souza

ANUNCIE AQUI