PF apreende caixas de munição, e Jefferson pode responder por tentativa quádrupla de homicídio



A Polícia Federal apreendeu diversas caixas com munições de diversos calibres na casa do ex-deputado Roberto Jefferson, aliado do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Ele foi preso em flagrante delito por tentativa de homicídio qualificado neste domingo (23). A PF ainda trabalha para quantificar o número, mas ele pode responder por quatro tentativas.

Até o fim da noite ainda não havia o balanço do número de balas encontradas. Duas armas foram apreendidas, entre elas um fuzil que foi usado por ele contra policiais que cumpriam ordem de Alexandre de Moraes.

A PF lavrou o procedimento de prisão em flagrante e também vai investigar como o ex-deputado teve acesso aos equipamentos e munições.

O presidente do PTB foi preso no domingo depois de horas de resistência, em que ele reagiu à tentativa de abordagem da PF com tiros de fuzil e granadas contra os policiais. Como mostrou a Folha, foram mais de 20 disparos.

Dois servidores da Polícia Federal que participavam da ação ficaram feridos pelos estilhaços da granada e foram levados ao hospital, sendo liberados em seguida.

Ao todo, seis policiais participavam do trabalho na casa de Jefferson.

A PF ainda avalia como qualificar a reação do político, que pode responder por mais de dois crimes de tentativa de homicídio —a informação na manhã deste segunda é de que ele responderia por quatro tentativas. A pena para esse crime equivale à sua consumação, que varia de 6 a 20 anos.

“Como se vê, a conduta de Roberto Jefferson, ao atirar nos agentes policiais, configura, em tese, duplo crime de homicídio, na forma tentada, encontrando-se o agente em estado de flagrância, nos termos do art. 302 do Código de Processo Penal”, afirmou Moraes em trecho da decisão que autorizou a prisão em flagrante.

O inquérito será conduzido na superintendência da PF no Rio Janeiro.

Em conversa com policiais dentro de sua casa, o ex-deputado disse que não atirou para atingir os agentes federais que participavam da ação. Vídeo que circula nas redes exibe Jefferson afirmando que as duas granadas jogadas eram de efeito moral e que disparou apenas contra a viatura quando não havia policiais dentro.

“Eu quero dizer uma coisa. Não atirei neles, eles sabem disso, eles sabem disso. Eu cheguei, eles estavam embaixo. Eu falei: vocês não têm como me levar, vocês não estão armados. Todo mundo sem colete, de peito nu”, disse o petebista ao policial. A versão de Jefferson é que “só” um policial atirou nele, um “magrinho”.

Em prisão domiciliar, o ex-deputado foi alvo da ação porque, segundo o ministro, descumprira medidas impostas pelo Supremo dentro de uma ação penal em que ele é réu por incitação ao crime e ataque a instituições.

Política Livre

ANUNCIE AQUI